O projeto tem como objetivo oportunizar a um número maior de estudantes de Graduação e Pós-graduação, bem como a pesquisadores em geral, o debate contemporâneo em torno dos Estudos Culturais numa perspectiva transdisciplinar.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

CHAMADA PARA PUBLICAÇÃO 2017.2 e 2018.1

Saíram os temas das próximas edições dos Cadernos de Estudos Culturais. Fiquem atentos aos prazos! 





Convidamos autores interessados em apresentar artigos, paper ou ensaios para as suas duas próximas edições – a de nº 18 e a de número 19, cujas discussões temáticas serão Tendências Teóricas do Século XXI (2017.2) e Tendências Artísticas do Século XXI (2018.1) respectivamente.






CADERNOS DE

     ESTUDOS CULTURAIS


              Os Cadernos de Estudos Culturais, uma publicação do NECC –  Núcleo de Estudos Culturais Comparados, em virtude da aproximação dos 10 anos de  publicação dos Cadernos de Estudos Culturais (número 20 – 2018.2), representados pelos seus Editores e pela Comissão Editorial, resolvem convidar autores interessados em apresentar seus trabalhos.
A decisão desta chamada para os dois próximos números dos Cadernos visa oportunizar em breve um Edital exclusivo para a chamada da edição de número 20 dos Cadernos de Estudos Culturais que será Comemorativa do seu 10º aniversário (2018.2) de publicação regular e ininterrupta com abordagens contemporâneas teóricas, críticas e artísticas sobre questões caras à atualidade muitas vezes não tratadas por outros meios de divulgação de produção científica nacional: 1º volume: Estudos culturais (abril de 2009); 2º volume: Literatura comparada hoje (setembro  de 2009); 3º volume: Crítica contemporânea (abril de 2010); 4º volume: Crítica biográfica (setembro de 2010); 5º volume: Subalternidade (abril de 2011); 6º  volume: Cultura local (dezembro de 2011); 7º volume: Fronteiras culturais (abril de 2012); 8º volume: Eixos periféricos (dezembro de 2012); 9º volume: Pós- colonialidade (abril de 2013); 10º volume: Memória cultural (dezembro de 2013);  11º volume: Silviano Santiago: uma homenagem (abril de 2014); 12º volume: Eneida Maria de Souza: uma homenagem (dezembro de 2014); 13º volume: Povos indígenas (abril de 2015); 14º volume: Brasil\Paraguai\Bolívia (dezembro de 2015); 15º volume: Ocidente/Oriente: migrações (abril de 2016); 16º volume: Estéticas Periféricas (dezembro 2016) e o volume 17º: Cultura Urbana (abril de 2017) (esses dois  últimos  a  saírem  neste  semestre  de  2017)  que  será  o  tema  para  o  qual os CADERNOS DE ESTUDOS CULTURAIS se voltarão para dar continuidade ao ciclo desta primeira dezena de publicações. Todos esses números com seus respectivos textos e autores já publicados podem, na grande maioria, ser conferidos e acessados no blog e seer do Núcleo – Blog do NECC Cadernos de Estudos Culturais - NECC UFMS.
As Chamadas-convites aos autores são divulgadas por diferentes canais, visando ampliar cada vez mais a abrangência de autores e focos diversos sobre as temáticas dos números que virão. Neste sentido, sobre as temáticas destes números em questão (18ª e 19ª edições), pensamos que as perspectivas que se esboçam nas propostas “Tendências Teóricas do Século XXI(2017.2) e “Tendências Artísticas do Século XXI(2018.1), respectivamente, tomam como pontos de partidas as ideias que, imbricadas nos títulos – tendências teóricas e artísticas – nos fazem pensar o que temos por vir mediante a tudo que já nos fora apresentado nos planos das teorias  e das produções artísticas, nas suas diferentes linguagens, na América Latina. Tratamos de tendências especialmente porque as noções de estética (eurocêntrica ou norte-americana, de estética moderna, pós-moderna, de produção artística como obra prima ou obra de arte ou ainda noções de obras primeiras – cânones, tradições e/ou coleções), como muito foram pensadas até o século XX, faz tempo essas práticas e leituras tradicionais ou da tradição já não conseguem contemplar teórico e/ou artisticamente as próprias teorias e práticas artístico-culturais – erigidas em lugares alheios aos grandes centros – e os lugares enunciativos tomados como periféricos e “fora dos eixos” pelos discursos hegemônicos teóricos e/ou artísticos da arte, da literatura, da cultura ou da antiga noção de ciência moderna como única produtora de conhecimento desde que o mundo é mundo. Portanto, as temáticas “Tendências Teóricas do Século XXI(2017.2) e “Tendências Artísticas do Século XXI(2018.1) querem – clamam aos autores – por reflexões, para além do mesmo que até outrora estava posto, com trabalhos oriundos de diferentes disciplinas ou indisciplinas, (teórico-artísticos ou artístico-críticos) que visam contribuir  para melhor compreendermos e esboçarmos – provisoriamente este talvez seja um termo que contemple as tendências teóricas e artísticas aqui enunciadas –, especialmente, “futuros” para as reflexões teóricas e para as práticas artístico-culturais no/do/após século XXI; igualmente para compreendermos melhor os sujeitos e os lugares enunciativos que estão inscritos fora desses discursos hegemônicos das teorias e práticas artísticas modernas e/ou clássicas que a todo custo tentam cristalizar, embrutecer e que emburreceram as teorias, a arte, a literatura, a cultura e até mesmo a produção de conhecimento de lugares fora dos centros discursivos – lugares latinos quase sempre.
Não diferentemente dos números anteriores dos Cadernos de Estudos Culturais as “Tendências Teóricas do Século XXI” e “Tendências Artísticas do Século XXI” podem até ser tratadas de alguma perspectiva histórica a título de histórico das teorias ou das práticas artísticas que subjugaram ou exaltaram as teorias e práticas nacionais, mas preferencialmente as contribuições para esses dois números dos Cadernos de Estudos Culturais devem contemplar abordagens teóricas e artísticas contemporâneas (século XXI) visando discutir as produções (teóricas e artísticas) especialmente edificadas   em   lugares   e/ou   sujeitos   de   e   a   partir   da/na   América    Latina impreterivelmente que não continuem contanto as mesmas histórias sobre as práticas artísticas e/ou sobre as teorias. Finalmente, compete salientar que na América Latina, por exemplo, todos os muitos lugares “fora dos eixos” estão desenvolvendo teorias, arte, literatura, culturas e conhecimentos que só podem ser inscritos em epistemologias outras que não a Moderna e que ultrapassam qualquer noção teórica ou artística apresentadas até o século XX.
Por fim, contando com a contribuição de vários autores quantos forem possíveis, em tempos de trumpismos e temerismos; this is the question: quais são as tendências do século XXI? Tendências Teóricas e Tendências Artísticas que explicarão e ilustrarão para a história dos nossos momentos de terrores, horrores, migrações, confusões, corrupções, lentidões, agitações, roubos, homofobias, heterofobias, feminicídios, racismos, xenofobismos, “pobricídios” e tantas outras características que estão sendo postas, expostas e ex-postas nestes tempos de incertezas múltiplas. Algumas dessas questões até já foram abordadas pelos  Cadernos, mas neste presente momento buscamos reverenciar as abordagens mais como tendências possíveis que certezas concretas e estabelecidas. “Vivemos na era do talvez!”
Sobre os prazos para submissões dos artigos, paper ou ensaios que possivelmente envolvam os temas destes dois números dos Cadernos de Estudos Culturais: número 18: Tendências Teóricas do Século XXI (a sair em setembro 2017) e o número 19: Tendências Artísticas do Século XXI (a sair em abril de  2018) será até 30 de agosto de 2017 e 28 de fevereiro de 2018 respectivamente.

          Pedimos também, caso seja possível, fazer ampla divulgação desta Chamada-convite para que nós possamos tomar as providências necessárias para a realização destes números. Os Cadernos de Estudos Culturais têm publicado trabalhos em diferentes idiomas e de autores oriundos dos mais distantes e distintos lugares. 


       NORMAS:Clique aqui



Atenciosamente,


Edgar Nolasco – Editor
José Francisco Ferrari – Editor-Assistente
Marcos Antônio Bessa-Oliveira – Editor-Assistente

Nenhum comentário:

Postar um comentário